Skip to content

Empréstimos Para Estudantes Universitários

⌚️ Tem apenas 60 segundos?
Nós sabemos o quão precioso é o tempo, nem todos gostam de ler longos artigos, como tal, recomendamos que veja o video seguinte, contudo, se precisar de informação mais pormenorizada, pode continuar a ler o nosso artigo.

Perguntas Frequentes

1Como Conseguir Um Empréstimo Universitário?

Você pode conseguir financiamento estudantil por meio: de créditos facilitados por instituições financeiras; de programas públicos desenvolvidos pelo Governo Federal; do parcelamento das mensalidades diretamente com a faculdade.

2Como Fazer Um Empréstimo Sendo Estudante?

Para financiar a sua faculdade, você pode pedir um financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil do Ministério da Educação, o FIES. Assim você consegue fazer a faculdade e só começar a pagar depois, quando conseguir um emprego. As condições de financiamento dependem principalmente dessa renda familiar.

3Qual O Melhor Empréstimo Estudantil?

Quais os melhores financiamentos estudantis? O financiamento estudantil mais procurado é o Novo FIES, que é um programa do governo federal. Ele tem juros baixos e o estudante só começa a pagar o empréstimo depois de ter concluído a faculdade.

4Como Funciona Empréstimo Universitário?

O crédito universitário privado funciona como um empréstimo. O estudante faz um contrato de financiamento, a empresa de crédito empresta o dinheiro para pagar a faculdade e, no prazo determinado, o estudante paga de volta o valor, com juros.

5Como Conseguir Um Empréstimo Sendo Estudante?

Se você é estudante e está pensando em pedir um empréstimo, saiba que existe um grande leque de opções disponíveis no mercado de finanças do Brasil.
1
Documento de identidade (RG).
2
CPF (Cadastro de Pessoa Física).
3

6O Que É Preciso Para Um Empréstimo Ser Aprovado?

Quanto maior a capacidade de pagamento, maior a chance de o empréstimo ser aprovado. Valor do empréstimo: não adianta pedir um empréstimo muito alto se não se tem como comprovar a renda para pagar as parcelas. Idealmente, as dívidas não devem ultrapassar 30% da renda líquida mensal.